ABDOMINOPLASTIA

A abdominoplastia, também conhecida como dermolipectomia abdominal, é a cirurgia plástica do abdome. Seu principal objetivo é a obtenção de um melhor contorno do abdome através do tratamento da flacidez, do excesso de tecido gorduroso, e da correção do afastamento dos músculos da linha média (diastase).

A abdominoplastia não deve ser considerada como um tratamento visando o emagrecimento. Ao contrário, poderá ser realizada como consequência deste. Contudo, por razões funcionais e higiênicas, essa cirurgia poderá ser realizada em pessoas acima do peso ideal, mesmo considerando que o resultado estético não será o mesmo. Haverá uma perda de peso secundária à abdominoplastia, mas essa não será expressiva.

Orientações básicas

Riscos. A abdominoplastia é uma cirurgia como qualquer outra e como tal possui os mesmos riscos das intervenções do seu porte, riscos esses que podem ser minimizados, através de um bom planejamento cirúrgico e medidas profiláticas que serão prescritas. O procedimento deve ser feito em ambiente hospitalar, por um cirurgião plástico devidamente qualificado.

Idade. A abdominoplastia é frequentemente indicada para pacientes adultos, preferencialmente após as gestações. Excepcionalmente, no caso do chamado abdome em avental ou após cirurgias bariátricas, essa cirurgia poderá ser realizada conforme indicações específicas, para ambos os sexos.

Cicatrizes. A abdominoplastia clássica, procedimento realizado com mais frequência, proporciona uma cicatriz longa, com o aspecto de uma linha arqueada, mais baixa na região central (pubiana), com ligeira elevação nas laterais, permanecendo, em geral, coberta pelas vestes íntimas/roupas de banho. Haverá também uma pequena cicatriz contornando o umbigo.

A mini-abdominoplastia acarretará uma cicatriz um pouco mais extensa que uma cicatriz típica de cesariana e está indicada para abdomes com flacidez predominantemente abaixo do umbigo.

Quando houver uma flacidez moderada de todo o abdome, a opção poderá ser  uma cicatriz no formato de uma pequena âncora (“T” invertido) e, finalmente, quando houver uma grande flacidez de flancos, geralmente decorrente de uma grande perda de peso, a cicatriz em âncora terá uma maior extensão vertical. A evolução das cicatrizes passa por várias fases que incluem a modificação da sua cor, forma e textura, tornando-se definitiva, entre o décimo segundo e o décimo oitavo mês, após a cirurgia.

Cicatriz umbilical. O umbigo será o mesmo que você possui, porém, com nova implantação, o que poderá alterar o seu formato original.

Anestesia. A abdominoplastia pode ser realizada com anestesia geral ou regional. A anestesia mais utilizada é a peridural, um tipo de anestesia regional.

Dor. Geralmente, o desconforto é de pequena intensidade e bem controlado com analgésicos e anti-inflamatórios.

Tabagismo. Pode influenciar direta e negativamente o resultado da cirurgia. Deve ser evitado, por pelo menos 15 dias antes e depois da data prevista para a realização da cirurgia, ou reduzido ao mínimo.

Internação. Na grande maioria dos casos, o período de internação será de um dia. Providencie um acompanhante por ocasião da alta.

Duração da cirurgia. Aproximadamente entre duas horas e três horas, considerando-se como sendo ato cirúrgico o período da efetiva realização do procedimento. Não deve ser aqui considerado o período de preparo pré e pós-operatório, nem o período em que o paciente permanecerá na sala de recuperação.

Modelador. Você já sairá da sala de cirurgia utilizando um modelador/cinta previamente designado.

Drenagem linfática. Geralmente indicada quando houver lipoaspiração associada. Será iniciada mais tardiamente, em torno de três semanas após a realização da cirurgia.

Massagem. A massagem nas cicatrizes com óleos ou pomadas, se indicada, deverá ser iniciada dois meses após a cirurgia e mantida por um período variável, conforme a necessidade de cada caso. Alterações nessa cronologia serão avaliadas individualmente.

Gravidez. Tem influência direta sobre a decisão de realizar ou não a abdominoplastia, bem como será determinante na obtenção e manutenção de um bom resultado. Se houver previsão de gestação, a abdominoplastia deverá ser postergada.  Se a gravidez ocorrer após a abdominoplastia, o resultado estético poderá ficar prejudicado, mas sem nenhum prejuízo para a criança.

Oscilações de peso.  Deve-se procurar manter a forma física e o controle do peso após qualquer cirurgia estética, sob o risco de prejudicar o resultado obtido. Por outro lado, o corpo humano sofre modificações da forma com o passar do tempo, gestação e mudança de hábitos de vida, podendo também alterar a estrutura do abdome.

Sensibilidade. O efeito mais comum é uma alteração transitória da sensibilidade, que pode perdurar por até dezoito meses.

Consistência e formato. Haverá um aumento de consistência da parede abdominal associado a uma importante melhoria do formato, incluindo melhor definição da musculatura e afinamento da cintura.

Associações cirúrgicas. As associações cirúrgicas são frequentes, principalmente com a lipoaspiração.

Resultado. Nos primeiros dias, é usual a ocorrência de edema (inchaço), assim como alterações de sensibilidade e equimoses (manchas roxas). Nunca se deve considerar como definitivo qualquer resultado antes de seis a nove meses do pós-operatório. Mesmo depois de transcorrido esse período, as cicatrizes continuarão evoluindo aproximadamente até o décimo oitavo mês de pós-operatório. Devemos considerar, entretanto, que todas as cicatrizes são permanentes, e que terão uma evolução variável, conforme características individuais de cada paciente. A obtenção e manutenção do resultado estão estreitamente relacionadas à observância dos cuidados pós-operatórios.

O volume removido é importante, mas as proporções anatômicas do abdome e sua correlação com as estruturas circunvizinhas devem ser consideradas como sendo fundamentais para que se possa obter um bom resultado.

As estrias situadas entre o umbigo e os pelos pubianos serão removidas. As demais estrias poderão ter a sua localização modificada, mas a abdominoplastia não conseguirá eliminá-las.

PRÉ-OPERATÓRIO

O uso rotineiro de qualquer tipo de medicação, doenças prévias e tabagismo deve ser informado. Medicamentos que possam interferir com a coagulação sanguínea devem ser suspensos dez dias antes da data programada para a realização da cirurgia. A depilação, se necessária, será feita pelo menos uma semana antes da data prevista para a realização da cirurgia. Informar a possível coincidência entre a data da cirurgia e menstruação, o que poderá determinar o adiamento da intervenção.

Comunique qualquer sinal de resfriado, conjuntivite, herpes ou quaisquer outras infecções que surgirem na semana anterior à cirurgia. Programe-se de modo a não se tornar indispensável a terceiros por um período de aproximadamente duas a três semanas.

Antevéspera da cirurgia

Banhar-se com sabão antisséptico, com ênfase especial para o quadril.

Véspera da cirurgia

Banhar-se com sabão antisséptico.

Jejum de sólidos e líquidos por oito horas antes do horário previsto para a realização da cirurgia.

Evitar refeições de digestão lenta e bebidas alcoólicas.

Dia da cirurgia

Banhar-se com sabão antisséptico.

Apresentar-se no hospital na hora programada.

Levar para o hospital os exames pré-operatórios e, conforme cada intervenção, o modelador e a meia elástica indicados.

Usar roupas leves. As mulheres deverão usar, de preferência, saia ou vestido.

Não levar para o hospital jóias, relógios ou outros tipos de adereços.

Não use desodorante, hidratante, talco, ou produtos similares.

Medicação de uso específico e contínuo, não padronizada no hospital, deverá ser levada pela paciente.

PÓS-OPERATÓRIO

Não se preocupe com as formas intermediárias das diversas etapas do período pós-operatório. Na fase de recuperação é muito importante o controle da dieta, uma vez que a sua atividade física estará restrita. Oscilações de peso poderão interferir negativamente no resultado da cirurgia. Pessoas diferentes poderão evoluir de maneira distinta, alcançando o resultado final com maior ou menor rapidez. Esclareça suas dúvidas durante seus retornos.

Movimentação. Movimente-se no período pós-operatório, evitando excessos. Não se levante abruptamente. A movimentação dos braços é livre. O desconforto, em geral, é breve e muito bem tolerado, o que poderá levar o paciente a despender esforços prematuramente. Essa atitude poderá impactar negativamente no resultado a longo prazo.

Alimentação. Procure se alimentar em intervalos regulares, utilizando uma dieta leve nos dois primeiros dias.

Curativo. Os primeiros curativos serão trocados pela equipe cirúrgica a partir do terceiro ou quarto dia de pós-operatório, com intervalos regulares. Até que isso ocorra, o modelador não deve ser retirado e os curativos não devem ser molhados. Em geral, a fita microporosa com a largura de 25 mm deverá ser mantida por cerca de dois meses. Haverá uma orientação específica para cada caso, como o uso de pomadas e fitas de silicone, se necessário.

Retorno. O primeiro retorno será agendado entre o terceiro e quarto dia de pós-operatório.

Retirada de pontos. Na sua grande maioria, os pontos são internos e de fios absorvidos pelo próprio organismo. Os demais pontos serão retirados entre cinco e sete dias após a cirurgia.

Modelador, cinta, talas, meias. Deverão ser mantidos por cerca de dois meses. Espumas e talas serão prescritas se houver lipoaspiração associada. A meia elástica terá seu uso iniciado na sala de cirurgia e será mantido por um período de dez dias.

Sol. A exposição ao sol dever ser evitada por três meses após a cirurgia. Transcorrido esse período, um filtro solar com fator de proteção 30 é recomendado.

Atividade física. As caminhadas estarão liberadas após um mês de intervenção cirúrgica. Exercícios físicos mais intensos (natação, musculação, etc.) poderão ser realizados após três meses.

Condução de veículo. Após um mês de cirurgia.

Retorno ao trabalho. Após um mês de cirurgia, dependendo da natureza do trabalho. Contudo, variações individuais poderão ocorrer, especialmente em cirurgias associadas.

Posição. Decúbito dorsal (deitar-se de costas) com o dorso elevado e joelhos fletidos (“posição de canivete”) obrigatório por cerca de dez dias. Use almofadas e travesseiros para obter uma melhor posição. O decúbito lateral é permitido transcorrido esse período de tempo, utilizando-se um travesseiro entre os joelhos. Sente-se livremente. Quando for se locomover, mantenha o corpo ligeiramente recurvado por cerca de quinze a trinta dias.

Vida sexual. Moderada, após um mês de cirurgia.